Templates da Lua

Marx Pedro

Meu perfil

BRASIL, Sudeste, SAO PAULO, Homem, de 26 a 35 anos, Portuguese, Arte e cultura, Informática e Internet

Histórico

    + veja mais

    Votação

    Dê uma nota para meu blog

    Outros Sites

    XML/RSS Feed
    O que é isto?

    Leia este blog no seu celular

    Visitante Número

    Créditos

    Templates da Lua

    07/11/2012

    O tempo e o vento

    O tempo e o vento

     

    Tudo em mim agora emana solidão
    Como estatua encarquilhada pelo tempo
    Ando só e tiro as minhas proprias fotos
    sou folha Seca ao sabor do vento

    Nada mais do que caminhar sozinho
    Suplantando as agruras do caminho

     Conto pombos para aliviar
    Deixo o mundo se acabar só
    Sigo os rastros de antigas canções
    Pra me guiar

    A vida me fez perito
    na arte de cruzar estradas
    Na mochila lembranças dos bons amigos
    Que ficaram seguindo suas jornadas

    Assobiando e perseguimdo o norte
    sou um universo de pequeno porte

    Busco paz para me preservar
    Sanidade pra me conduzir
    Nem tanto asas pra poder voar
    Mas um motivo simples pra sorrir

     

    Marx Pedro


    Escrito por ..M@RX.. às 18h36
    [ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

    Canto de libertação para os pais

     

    Canto de libertação para os pais



    De onde estou ja posso ver daqui
    crianças correm brincam a sorrir
    Enquanto os pais correm na direção
    Que a vida um dia os obrigou a seguir

    São doutrinados pela emoção
    Escravizados por um deus vilão
    Ignorando o que de fato importa
    Já que não passa na televisão

    Daqui um dia quero contemplar
    Um grito alegre a ecoar no ar
    De pais libertos da escravidão
    Com coisas UTEIS pra se preocupar

    Fazer o Ben priorizar o amor
    Sair do seu mundo de isopor
    Brincar como as crianças pelo chão
    E ser mais uma voz nesta canção

    Inventam normas para discumprir
    criam sentenças para se punir
    e suas leis são as religiões
    Que os impedem de evoluir

    Crianças brincam LIVRES pelo chão
    De pega - pega, policia e ladrão
    Ignorando se o dolar subiu
    Sendo felizes sem complicação

    Daqui um dia quero contemplar
    Um grito alegre a ecoar no ar
    De pais libertos da escravidão
    Com coisas UTEIS pra se preocupar

    Fazer o Bem priorizar o amor
    Sair do seu mundo de isopor
    Brincar como as crianças pelo chão
    E ser mais uma voz nesta canção

    Marx Pedro


    Escrito por ..M@RX.. às 18h34
    [ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

    Luana

     

     Luana


    Luana andava se queixando da vida
    e sempre ouvia musica depressiva
    só bebia bebida destilada
    fumava feito doida obsessiva

    Quando tentava dar um rumo na vida
    como havia a sua mãe prometido
    acontecia como das outras vezes
    só se lembrando quando ja tinha se esquecido

    Luana não era superticiosa
    mas sempre andava com um trevo da sorte
    rezava sempre quando entrava em um onibus
    e acreditava em vida após a morte

    Luana idolatrava Chico Buarque
    mas não curtia Caetano Veloso
    pois preferia ouvir Arnaldo Batista
    do que aquele baianinho orgulhoso

    Luana tinha uma beleza inocente
    quando não estava com o sapato apertado
    mas não achava a menor graça na lua
    e nem naqueles papos de namorado

    Luana achava todo menino idiota
    e os tratava com a devida frieza
    sempre a olhavam com aquelas caras de bobos
    "devem estar pensando em safadeza"

    Um certo dia retornando pra casa
    Luana viu que um rapaz lhe sorria
    e esse sorriso era tão lindo e Luana,
    não entendia o que lhe acontecia

    Nas tantas vezes que olhou para Leandro
    Luana nunca notara que ele era tanto
    chegava mesmo a ser um pouco sem graça
    mas seu sorriso revelou seu encanto

    Luana cega se jogou em seus braços
    e o amou desesperadamente
    se entregando a esse amor improvável
    sabendo que seria feliz eternamente.

    Marx Pedro


    Escrito por ..M@RX.. às 18h33
    [ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

    O nome

     

    O nome


    Eu sou lembrado nos cortejos funebres
    sou adorado no dia de reis
    eu apareço no cartaz do filme
    sou ovacionado na parada gay

    eu tava la na posse do obama
    e no canal que exibia lost
    eu tava na revolução cubana
    eu era a luz que escorria do poste

    Alguns me chamam de senhor da guerra
    das guerras sou as ideologias
    e quando o homem viajou pra lua
    eu ja estava la ha quatro dias

    Eu sou o medo que te invade a alma
    quando a tua vida te exige um passo
    eu sou a guerra pela audiencia
    sou a tatoo que você fez no braço

    Sou a mensagem disfarçada em codigo
    pra confundir os sabios e os loucos
    sou a ciencia dos que sabem tudo
    sou do grupinho que aceita poucos

    Eu sou o mentor da crise financeira
    que leva o jovem rico ao desespero
    eu sou o desejo na estrela cadente
    eu sou o que você faz por dinheiro

    Eu sou a voz naquele pesadelo
    que sempre te faz acordar suado
    eu sou o bichinho da carne de porco
    eu sou o cara sentado ao seu lado

    Eu sou o rosto que aparece em marte
    eu sou o esquadro da maçonaria
    e se você nunca ouviu o meu nome
    tenho certeza que ouvirá um dia.


    Marx Pedro


    Escrito por ..M@RX.. às 18h33
    [ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


    Escrito por ..M@RX.. às 18h29
    [ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

    Aline

    Aline



    eu te amo.
    mais que demaiS
    mais que o cais
    quando já não te vê mais

    mesmo quando a dor me faz perecer
    tenho o alento
    alento doce de te ver

    mesmo quando a doce vida a dor define
    amarga fica, triste vida oprime
    mesmo quando amarga o féu e se obstine
    amarga a vida doce Aline

    já se faz a tarde finda
    já que finda a tarde jaz
    já que a tarde te faz linda
    que a tarde não se acabe mais

    Cleones


    Escrito por ..M@RX.. às 18h24
    [ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

    Joelma

     

    Joelma



    Fria e densa núvem de dor
    Em meus olhos se faz real
    Vejo a vida, tão bem vivida.
    Desfazendo-se feito vela em castiçal.


    É, a sala ao lado já se foi.
    E já não tarda o elemento
    a minha vida invadir
    Alô, o telefone não funciona.
    Socorro! Alguém pode me tirar daqui?


    Que besteira, já não adianta mais gritar.
    O meu destino bobo se encerra aqui
    Só sinto mesmo pelos destinos que ficaram
    Dos que estavam comigo quando chorei
    Ou quando sorri


    Não sei o que me espera ao cruzar a ultima porta
    O que sei é que quando tudo se acalmar
    Restarão boas lembranças
    E eu estarei morta


    O calor já não mais me incomoda
    Minha pele perdeu o tato
    No meu coito triste com a morte
    Dois segundos restam para se consumar o ato


    Deixo um beijo para a minha sobrinha
    Que na terça vi pela ultima vez
    Vai crescer sem conhecer a tia
    Que amarga agora a dor da vida que se desfez


    Daqui de cima já vejo o meu corpo
    Que o fogo impiedoso consumiu
    Sinto uma paz que não combina com o que houve
    Sou agora escombro de uma vida que ruiu



    Marx Pedro


    Escrito por ..M@RX.. às 18h11
    [ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

    A Morte da Fênix

     

    A Morte da Fênix

     No frio cálido da voz que em tí ressoa

    Doces palavras o vento me dizia

    Teu rosto triste um encanto revelava

    E o meu sorriso na tristeza se escondia

     

     da falsa deusa que há muito se ocultava

    Restou apenas um divino ser alado

    do ser humano que as vezes se exaltava

    Restou um escravo de um amor inacabado

     

     Já não me calo ante a dor da voz intensa

    Que o refugio em minha mente encontrava

    Já não me mato ante a tua doce morte

    Que toda noite em minha cama me matava

     

    A Fênix hoje da cinza não ressurge

    Pois a fornalha com o tempo não se apaga

    só resta agora conquistar de vez o fogo

    pois o fogo, pelo fogo, se estraga.


    Marx Pedro

     


    Escrito por ..M@RX.. às 18h10
    [ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

    Leito de pedra

    Leito de pedra

     

    A morte ronda o teu caminhar

    Mas você não se entrega

    Trava lutas com um deus irreal

    Num duelo sem tréguas

     

    O frio impede o teu despertar

    No teu leito de pedra

    Se alimenta da luz de um luar

    decomposto e em trevas

     

    Teve vida prá dar e vender

    Mas a dor não espera

    Tira a força de heróis colossais

    Põe final em guerras

     

    Quando o rato domina o leão

    A história termina

    Já não olhe o sangue no chão

    Viver é tua sina.


    Marx Pedro


    Escrito por ..M@RX.. às 18h09
    [ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

     


    Escrito por ..M@RX.. às 18h09
    [ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

    Deu-se o fim

     

    Deu-se o fim




    deu-se assim
    a olhar
    para o ar
    a buscar por assim dizer o fim

    la está prá quem quiser olhar
    a se entregar sem desejar
    ao olhar de quem um dia se escondeu
    pra não fitar

    vai passar
    olha lá na tv
    vou chorar por você
    sem querer me lembrar
    de quem fui prá nós dois

    já passou toda dor
    de viver
    por me ver
    derramar sem chorar, lágrimas

    durma em paz
    onde estás
    escrevi prá você:
    "um amigo melhor,
    aqui jaz"

     Marx Pedro


    Escrito por ..M@RX.. às 18h07
    [ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

    MOÇA

    MOÇA


    Moça

    Quanto custa este teu beijo?

    Vou pagar com o meu desejo

    Custe o preço que custar

     

    Moça

    Já te olhei por muito tempo

    Rosto nu, cabelo ao vento

    Vim aqui prá te buscar

     

    Olhando o teu batom vermelho

    Sei que você não é feliz


    Tua vida se esvaindo aos poucos

    No teu olhar de meretriz

     

    Moça

    Quanto custa o teu sorriso?

    Que me eleva ao paraíso

    E alimenta o meu olhar

     

    Moça

    Só te peço que me queiras

    Sou teu de qualquer maneira

    Só não posso te amar

     

    Olhando o teu baton vermelho

    Sei que você não é feliz

     

    Tua vida se esvaindo aos poucos

    No teu olhar de meretriz

     

    Marx Pedro

     


    Escrito por ..M@RX.. às 18h06
    [ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

    MILHÕES DE FLORES

     

    MILHÕES DE FLORES

     

    Eu te dei milhões de flores

    Prá te seduzir

    Mas você me disse que não estaria aqui

     

    Toda vez que eu digo que te amo

    Você sai

    Já não olha nos meus olhos

    Nem me beija mais

     

    Mesmo assim eu luto

    Prá te ver feliz

    Mesmo assim te quero tanto quanto sempre quis

     

    A luz do mundo já não alivia a dor

    Pois não há dor mais funda

    Do que dor de amor


    Marx Pedro

     

     


    Escrito por ..M@RX.. às 17h55
    [ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

    COPOS DE PAIXÃO

     

    COPOS DE PAIXÃO

     

    Fui derrotado pela força de um amor criança

    Que me deu carinho, paz e um pouco de esperança

    Me amou e me matou, tudo de uma vez

     

    Me tirou da condição de desvalido

    Mas me deixou no chão como um anjo caído

    não entendo até hoje o que este amor me fez

     

    Bebo copos de paixão de um lamaçal insano

    Só encontro deus, no meu potencial humano

    Falo de amor como se eu fosse bom


    Você foi a brisa leve antes da tempestade

    Você foi a parte inteira da minha metade

    Não sei se azar ou sorte o teu amor me deu


    Marx Pedro

     


    Escrito por ..M@RX.. às 17h54
    [ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

    PLENA I VIVA

     

    PLENA I VIVA

     

    Amar?

    Como,

    Se o mundo desabou?

     

    Amei, e por amor me aprofundei em ti

    Por ti morri vivi

     

    E há

    Quem diz que nunca se entregou

    E não sofreu

    Também não se apaixonou, viveu um grande amor

     

    Quem nunca amou, nunca sofreu por amor?

    A uma paixão tremenda não se entregou?

     

    Quem não alguém para se lembrar

    De alguma forma o verbo amar conjugar


    Marx Pedro

     


    Escrito por ..M@RX.. às 17h52
    [ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

    FILOSOFIA EM CHAPEU DE PALHA

     

    FILOSOFIA EM CHAPEU DE PALHA


    Agora eu vou lhes contar

    A história de um país legal

    Habitado pelos índios e descoberto por um tal de CABRAL

     

    Mas olhem só que ironia, então

    Ao entrarmos no ano dois mil

    comemorarmos o século vinte e um

    Com quinhentos anos de BRASIL

     

    Um país que já nos deu PELÉ

    É, um país que já foi, e é

    O reduto de um AIRTOM SENNA

    Um pais que já produz cinema

     

    Agora eu vou ser realista

    Vou expor o meu ponto de vista

    Pois o pais do meu coração

    Está afundado em corrupção

     

    Filosofia em chapéu de palha

    Troca cultura por migalhas

    Deixa os seus velhos jogados ao léu

    Destrói a fauna prá ganhar troféu


    Mas o meu povo empunhará feliz

    A bandeira linda

    Deste lindo país


    Marx Pedro

     


    Escrito por ..M@RX.. às 17h51
    [ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

    A TEORIA DO AMOR

     

    A TEORIA DO AMOR


    Em que consiste amar?

    Amar é... o que?

    Amar é ter e ater-se ao ser que o tem.

    É sofrer enquanto se goza.

    É gozar enquanto se sofre.

    Amar é dívida eterna.

    É de vida eterna o amar

    A quem se deve amar?

    À quem devemos odiar?!

    Mas as vezes amamos À quem mais odiamos.

    (mas que tédio)nunca vou saber falar de amor.

    Por que devemos amar?

    Por hábito? Ou por instinto?

    Ou por que somos ou levamos a centelha do que chamamos "amor"

    Amamos por que gostamos de sentir aquela dor,

    Que é sintoma de amor.

    Amamos para sermos desprezados.

    Amamos para sermos indagados: "você me ama?"

    Amamos por medo de não o ser.

    Amamos por que somos sábio.

    Mas também amamos por que somos tolos.

    Como se deve amar?

    Controladamente, talvez.

    Mas como?

    Se quando amamos, perdemos o controle de nós mesmo?

    É mal o amor.

    Existem várias formas de amor.

    Mas eu só conheço uma:

    O amor louco que também cégo,

    Que também é frágil

    Que tambem forte

    Que também é cura

    Que também é corte

    Que nos controla a vida

    Nos levando à morte.

    O amor é fogo que arde sem se ver

    Mas também é agua que nos sacia a sede

    O amor á mágico.

    Pois quanto mais sabemos sobre o amor

    Mais perdidos estamos perdidos em sua teoria


    Marx Pedro

     


    Escrito por ..M@RX.. às 17h49
    [ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

    RAZÕES QUE A VIDA NOS DÁ

    RAZÕES QUE A VIDA NOS DÁ


    Amor eu só liguei prá contar

    Que tenho muito prá te dizer

    E quando você me escutar, você vai entender

     

    Que a vida tem me dado razões

    Para me afastar de você

    mas o amor que sinto, não dá prá esquecer

     

    No dia em que te conheci

    Toda a minha vida mudou

    Deixei de andar na solidão

    Encontrei o amor

     

    Mas derrepente você se foi

    Carregando o meu coração

    Apagando a minha estrela,

    Da tua constelação

     

    A vida tem me dado razões

    Prá não mais querer te beijar

    Não posso mais viver de paixões

    Tenho que te amar

     

    Agora eu vou ter que desligar

    Pois o meu cartão acabou

    Sai daí e vem encontrar,

    E me amar por favor


    Marx Pedro

     


    Escrito por ..M@RX.. às 17h49
    [ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

    A D O R

     

    A  D O R

     

    Você só foi prá mim

    Lembranças de um amor sem fim

    Razão do meu viver

    Motivos do meu sofrer

     

    Vê se volta logo

    Pois estou a te esperar

    Já corrí o mundo

    Na ilusão de te encontrar


    Já vendi o meu mundo

    Já medi o céu e o mar

    Já comí todas as flores

    Já dormi no teu olhar

     

    Os dias vão e vêem

    só não vem você prá mim

    Prefiro a morte encontrar

    Do que ter você assim

     

    Os poemas de amor serão

    Pequenos, se não prá tí

    Meu peito agrega a dor

    A dor que deixastes aqui


    Marx Pedro

     


    Escrito por ..M@RX.. às 17h47
    [ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

    O SONHO

     

    O SONHO

     

    Esta noite eu sonhei

    Que o mundo vai mudar

    Que o fim da guerra vem

    E a paz governará

     

    Se você vem do pó

    ao pó retornará

    E se viver de fé

    A fé te ajudará

    À se encontrar com o mar

     

    Plante uma flor e colha-a

    E dê para alguém

    Pois a paz é ouro que tolo não tem

     

    O ser humano tem

    A chave do amor

    Mas trabalha para o mal

    Sorrindo em meio á dor

     

    Se você vem do pó

    ao pó retornará

    E se viver de fé

    A fé te ajudará

    À se encontrar com o mar


    Marx Pedro

     


    Escrito por ..M@RX.. às 17h46
    [ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

    CANTO DE MORTE

     

    CANTO DE MORTE

     

    Cantata triste

    deste amor que pinga em sangue

    desta dor que não se extingue

    faz a morte a cruz levar

     

    Água barrenta

    deste rio que triste corre

    por sobre a ponte apodrecida

    muita alma há de roubar

     

    O amor não cresce

    em terreno leviano

    deixa a gloria prá quem sabe

    o cascalho ignorar


    Sabor de pedra

    neste beijo incandescente

    doi na alma loucamente

    mas o fim há de chegar


    Marx Pedro

     


    Escrito por ..M@RX.. às 17h45
    [ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

    CANÇÃO TRISTE AO AMIGO MORTO

    CANÇÃO TRISTE AO AMIGO MORTO

     

    Eu não quero mais chorar

    Por alguém que já partiu

    Quando o anjo veio te buscar

    De tristeza me encobriu



    Acho que você não conseguiu

    Dizer tudo que eu queria ouvir

    Os preceitos do amor

    Numa frase resumir

     

    O horizonte já não me distrai

    Tenho que voar prá ser feliz

    Coração ferido pela dor

    Tem de se curar pela raiz

     

    Hoje a multidão se sente só

    Sem a tua voz á nos dizer

    "Quem me dera ao menos uma vez"

    Adeus amigo um dia hei de te ver


    Marx Pedro

     


    Escrito por ..M@RX.. às 17h42
    [ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

    CANTO DE TERRA

     

    CANTO DE TERRA

     

    Um olhar prá te ver

    Um amor prá te dar

    Com paixão te querer

    Tudo em um só lugar


    Me perder ao te ter

    Te perder ao me achar

    Sol que teima em luzir

    E nos iluminar


    Canto um canto de terra

    Em festa, em paz ou em guerra

    Moro em um pé de serra só


     Planto e colho a semente

    Bebo em rio corrente

    Vivo vida de gente sã


    Marx Pedro


    Escrito por ..M@RX.. às 17h37
    [ ] [ envie esta mensagem ] [ ]